segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Em 2010, Glória a Ele

Ó profundidade das riquezas, tanto da sabedoria, como da ciência de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inexcrutáveis os seus caminhos!
Porque, quem compreendeu o intento do Senhor? ou quem foi seu conselheiro?
Ou quem lhe deu primeiro a ele, para que lhe seja recompensado?
Porque dele, e por ele, e para ele, são todas as coisas; glória, pois, a ele, eternamente. Ámen. (Rm. 11. 33-36)

Palavras chaves: entrega total; reconhecimento; alvo da Igreja; Glória a Deus.

O Senhor é o dono de tudo, a Ele pertence tudo (Sl. 24.1). Em João 1. 1-2, diz que por Ele e para Ele foram feitas todas as coisas. Qual o papel da Igreja com relação a esta verdade? Reconhecimento. Reconhecimento de que, sem Ele não somos nada, sem Ele se quer existiríamos. Qual o alvo da Igreja para este ano que se aproxima? O alvo é a Glória de Deus, não só neste ano, mas, em todos os anos, meses, dias e horas de nossas vidas. A Glória de Deus em reconhecer que perto dele somos pó, somos criaturas do Seu poder criador. Reconhecer que existimos por Ele e para Ele, pois somos dEle. Porque, pela Graça, e somente pela Graça, ao crer nEle, obtemos o poder de sermos feitos FILHOS de Deus (Jo 1. 12). Isso nos deixa em posição favorável, não que não passaremos mais por problemas e aflições, mas, sabemos exatamente que nEle temos o consolo e a ajuda necessária para suportar qualquer aflição. Por isso, neste ano de 2010, temos que ter a renovação de nossa mente para entender exatamente a boa e agradável vontade de Deus para as nossas vidas e, nos entregar totalmente em suas mãos para fazemos a obra que para nós está conferida (Rm 12. 1 – 8). Desejo que neste ano, eu e você, tenhamos a noção exata da vontade de Deus. Desejo que neste ano, sejamos mais do que meros irmãos em Cristo, que tenhamos a vontade de Deus estampada em nossos corações. Que sejamos mais do que ouvintes, mas sejamos, acima de tudo, praticantes da Palavra. Que cada um exerça seu dom com toda a vontade repartida a nós pelo Espírito de Deus. Desejo que tenhamos amor e comunhão, e toda a característica do fruto do Espírito (Gl 5. 22). Desejo que em 2010, aprendamos muito mais de Deus do que em 2009. Que tenhamos um ano de conquista e vitória, em Nome de Jesus Cristo! Amém!
Pr. Henderson
Segunda – 28 dez 2009

video

sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

Construindo o Cristão

Construindo o cristão
Texto base: Mateus 7. 24-29
Texto devocional: Lucas 14. 25-35
Versículo chave: “Caiu a chuva, transbordaram os rios, sopraram os ventos e deram contra aquela casa, e ela não caiu, porque tinha seus alicerces na rocha” – Mt 7.25

Introdução
Comparo aqui o cristão como uma casa a ser edificada. Daí a importância da educação como formadora de princípios éticos e morais. Construção de caráter a partir do exemplo histórico-bíblico e teológico. A importância de se formar uma base para a construção do novo ser, a casa a ser edificada na rocha que é Cristo. O acompanhamento e a manutenção do cristão, reformas e formação de pensamentos bíblicos. A formação de uma unidade de ensino onde a mutualidade e a comunhão seja tão impactante como foi a igreja primitiva de Atos 2. 42-49.

Todo projeto de construção começa com um planejamento
O projeto para a vida cristã começa com um planejamento para o crescimento da vida cristã. É como construir uma casa. Jesus em um dos seus discursos faz uma advertência que, ninguém começa um projeto de edificação sem antes planejar e prever seus gastos para ver se este projeto está dentro do seu orçamento. A educação cristã tem que ser bem planejada afim de que o aluno-cristão esteja certo de que vai ser bem nutrido.

Investindo em recursos
Os recursos investidos na vida cristã são as ferramentas para ele se desenvolver como indivíduo em sua vida cotidiana. São valores passados a fim de transformar o caráter e moral, seja ele: familiar, cidadão, cristão e educacional. As ferramentas a serem usadas são: a Bíblia (Palavra de Deus), oração, devoção e um bom livro devocional.

Uma vida devocional
Não há um bom projeto se este não for investido em uma vida devocional. Para se construir um cristão é preciso que ele esteja inserido dentro de um terreno onde poderão ser firmado suas bases e alicerces. Em Mt 7. 24-25, Jesus adverte que o ouvinte que se torna praticante da Palavra e não só ouvinte é semelhante ao homem que construiu sua casa sobre a rocha – sopraram-se os ventos, caiu a chuva, desceu a enxurrada e a casa continuou intacta. O aluno deve ser praticante da palavra e não só ouvinte. Tem que ter uma vida de devocional diário, um alimento a base de oração e leitura da Palavra, acompanhada de um livro de orientação cristã.

Toda construção começa a ser edificada pela base
O alicerce para a construção do cristão é a ROCHA chamada Jesus Cristo (Mt 7 24-29). Nela o cristão deve estar alicerçado e fixado para aguentar toda a água da enxurrada e o vento forte. Só firmado na Rocha o aluno-cristão terá a base para a construção do seu caráter renovado na transformação das boas-novas de Cristo.

Construção edificada na areia
A casa firmada na areia é passiva de ser derrubada pela enxurrada e o vento (Mt 7.26-27). Sem base o aluno-cristão que entra em um mundo de provações e aflições está passível a ser derrubado pelas circunstâncias da vida. Em Jo 16.33, Jesus nos afirma que no mundo teríamos aflições, e se não tivermos base ou, se nossa base estiver fixada na areia então estaremos passíveis de sermos derrubados pelos ventos e enxurradas da vida.

Construção edificada na rocha
Agora, se nossa base for firmada na rocha então estaremos seguros de que no mundo de aflições, Jesus é o nosso ânimo para a edificação da construção da nossa casa, pois ele mesmo passou por tudo que um homem pode passar (teve aflições também) e, venceu o mundo. (Jo 16.33)
O aluno-cristão tem que entender que somente seguindo os exemplos de Cristo poderá crescer e edificar-se como casa e habitação do Espírito Santo.

Toda edificação precisa de segurança e amarrações
Uma casa para ser edificada com paredes sólidas deve ser construída com tijolos bem amarrados, assentados com argamassa bem preparada. O aluno-cristão deve receber um ensino firme e fundamentado nos princípios da doutrina bíblica e cristã. Estes são os tijolos bem assentados e amarrados da parede da casa do aluno-cristão.

O Tijolo
O tijolo desta parede edificada é a doutrina bíblica e os ensinamentos dos santos apóstolos (At 2.42-49). Esta edificação tem que ser firme e forte neste propósito. Só assim o cristão tem suas paredes preparadas para receber o vento e permanecer firme em sua convicção cristã. Se assim não for poderá ser levado por qualquer vento de doutrina – “Para que não sejamos mais meninos inconstantes, levados em roda por todo o vento de doutrina, pelo engano dos homens que, com astúcia, enganam fraudulosamente.” Ef 4.14

A argamassa
A argamassa para esta parede é o próprio Espírito Santo, que nos faz lembrar de todas as coisas ensinadas por Cristo através de seu evangelho (Jo 14.26). A junção do tijolo que é a doutrina e a argamassa que é o Espírito Santo, dará a construção firmeza para suportar qualquer perigo de degradação da casa. Suportará qualquer enxurrada e chuva que bate sobre ela.

Todo edifício precisa de proteção e teto contra chuva
O teto é a proteção da chuva que cai, do granizo e até mesmo raio de tempestade. Para se chegar ao teto e construí-lo o aluno-cristão precisa aprender sobre persistência. Não é fácil chegar nesta fase da construção. Para se construir um teto o cristão tem que já ter uma base e uma parede já constituída. Leva tempo e, o esforço é grande para encher a laje de massa de concreto. Por isso o cristão tem que já estar com sua formação iniciada, persistir é preciso! Todo teto é construído com laje feita de ferros e concreto, madeiramento e telhas. Todos estes elementos são conquistados e ganhos na medida em que avançamos na vida cristã. É realmente construído com persistência e devoção.

Toda casa precisa de revestimento
O revestimento é poder que o Espírito Santo dá ao aluno-cristão (I Co 12), sãos os dons desenvolvidos pelos cristãos que dará a beleza e proteção para a construção do cristão. Toda casa depois de edificada ganha um revestimento de chão (piso de concreto), parede (chapisco e reboco de cimento) e teto (reboco de cimento). Para o aluno-cristão esta fase é uma experiência no serviço da igreja, o desenvolvimento dele dentro do contexto da igreja.

Toda a casa precisa de acabamento
O acabamento para esta casa em formação é a plenitude do Espírito (Gl. 5. 16- 26). O aluno-cristão experimenta toda a sensação e luta da construção da formação do seu caráter cristão e já vive agora dentro do contexto da igreja, então é hora de desfrutar plenitude de sua vida dirigida e comandada por Cristo através do Espírito Santo. É a fase mais cara da construção da casa, porém a mais bonita também. O cristão tem que lutar e trabalhar muito para chegar a este patamar proporcionado pela vida devocional diária. Muito se construiu e mudou no caráter do aluno-cristão até aqui, muito tem ainda a fazer para que este acabamento não se degrade. Mais viver na plenitude do Espírito é ter a casa com todos os azulejos, pisos, peças do banheiro e da cozinha no lugar, pronto para receber a mobília que é a missão da vida cristã.

Conclusão:
O aluno-cristão recebe em sua vida devocional proporcionada pelos ensinamentos cristãos, as ferramentas para se desenvolver como um seguidor verdadeiro de Cristo. Estes ensinos o são passados em ambientes que o proporcione o desenvolvimento intelectual de forma aprazível e com eficácia. E é como construir uma casa edificando em sua totalidade parte por parte.

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

O Senhor é o Meu Pastor

Introdução: “O Senhor é o meu pastor e nada me faltará” - Salmos 23. 1
O que ainda te faz falta? Será que você vive uma vida tranquila, ou vive pensando em como solucionar seus problemas? Esta é uma reflexão sobre o cuidado do PASTOR com sua ovelha, e ainda, esta reflexão esclarece o ponto de vista da ovelha com o seu PASTOR.

Tranquilidade – vs. 2 e 3a
a) no sustento (em verdes pastos)
O Senhor nos dá tranquilidade em nosso caminhar, não que teremos um caminho só de graminhas verdes e macias, teremos pedras com certeza. Mas, se Ele nos conduz, se é Ele que vai a frente, então Ele nos guiará ao melhor caminho, não importando como nos conduzirá a ele.
b) na consciência sadia, que repousa tranquila (… me faz repousar...)
Como é gostoso quando deitamos e dormimos tranquilamente, quando sonhamos apenas sonhos que nos dão paz. Como é bom quando temos alguém para nos acariciar enquanto pegamos no sono. Como é bom termos tranquilidade! Assim é toda a ovelha que confia em seu pastor: Ela não temerá se ao redor existe um lobo ou um leão, pois ela sabe que seu pastor está ali para protegê-la. Ela não temerá se amanhã terá o pasto para se alimentar, ela não se revirará em seu leito pensando se terá sustento. Ela apenas dorme tranquila.
c) em esperar por restauração (… restaura-me o vigor)
"O Senhor nos dá enquanto dormimos" (Sl 127.2b em minhas palavras) Ele nos dá o vigor, Ele restaura o vigor, ele nos supre, nos nutre através da sua Palavra, nos enche de energia para enfrentarmos o dia-a-dia.

Condução - vs 3
a) veredas de justiça – são caminhos justos e dos justificados;
Veredas são caminhos já trilhados por alguém que, através do seu caminhar mostra aos outros o atalho para se chegar ao destino. O nosso Pastor nos guia a estes caminhos, a estas veredas. Cabe a nós, suas ovelhas, segui-lo por estas trilhas deixadas, caminhos cansados, ou seja, pisar por onde pisou seus passos. Segui-lo, mesmo não sabendo o destino certo de nossas vidas. Em meio a tantas decisões, devemos saber qual caminho devemos seguir. Confiados em nosso Pastor, temos certeza de caminhar por caminhos de justiça, caminho de paz.
b) por amor ao Teu nome – é Deus que desenvolve este amor por ele;
Nós só conseguimos amar de fato alguém quando tornamos íntimos desta pessoa. Assim também é com Deus. Só podemos amá-lo, de fato, se com ele andarmos dia após dia, hora após hora, tornarmos íntimos dEle. quando Ele nos mostra as veredas de justiça, obrigatóriamente andamos ao seu lado, em seus passos. Suas vontades passam ser nossas vontades e, sabemos como devemos ter nossas vontades dentro de Suas vontades. É nessa intimidade que conseguimos o amor por amar Seu nome.
c) resolução de problemas (...e me conduz a águas tranquilas; - vs 2b)
Águas tranquilas significa tranquilidade para se resolver problemas, paz em meios aos problemas. É difícil chegar ao outro lado de um rio quando há correntezas e redemoinhos que nos levam em direções que não estamos esperando. Mas, quando se tem águas tranquilas fica fácil chegar a outra margem, ou seja, ao objetivo. Águas tranquilas são um alívio para chegarmos ao outro lado sem nos cansarmos ou estressarmos.

Confiança – vs. 4
a) impotência na situação sombria (vale de trevas (sombra) e morte);
O Vale da sombra da morte não é exatamente a hora da morte, mas, uma hora de nossas vidas que são sombrias, digna de medo, pavor, desespero, ou até mesmo situação de impotência e morte (de entes queridos, amigos próximos). O senhor é a vara e o cajado para nos guiar e proteger nestes momentos sombrios e sem perspectiva.
b) nos perigos e dificuldades da vida (não temerei mal algum);
O medo e o temor nos sobrevem em vários momentos da vida, principalmente quando nós somos envolvidos no perigo. O importante é não temer o mal. Quando estamos andando com o nosso PASTOR ele nos protege e nos consola na hora de enfrentearmos o "mal".
c) proteção e correção (a tua vara e o teu cajado me protegem).
Em um momento de impotência em situações de medo e insegurança, precisamos confiar que Deus estará com seu cajado para nos tirar de eventuais precipícios e ladeiras. Temos que confiar em Deus quando levamos algumas varadas para endireitar nossos passos em seu caminho. Confiança é a palavra para as situações de desespero e dor.
“Meu filho, não despreze a disciplina do Senhor nem se magoe com sua repreensão, pois o Senhor disciplina a quem ama, assim como o pai faz ao filho de quem deseja o bem.” Pv. 3, 11 e 12.

Exaltação – vs 5
a) banquete na presença do inimigo – honrarias de Deus em vida (o banquete, festas);
Quando vencemos alguma situação, o SENHOR festeja conosco. Ele tem o prazer de nos colocar em lugar de destaque e exaltação. Porém, a humildade de reconhecimento desta posição deve ser dada a Deus que nos capacita para isto. (Dt 8. 17-18)
b) unção de poder – exaltação no Espírito
A unção na bíblia tem três sentidos: a) como bálsamo - a unção era usada para perfumar e para umidificar a pele ou cabelos, neste caso era usado com perfume, era feito com ervas aromáticas (Ec 9.8); b) unguento - era com fins medicinais, tinha a função de remédio, era muitas vezes preparado com ervas medicinais, então tinha a função curativa (Tg 5.14); c) Síbolo de poder - unção feita com imposição de mão simbolizava que este representaria a vontade de Javé na condução de seu povo (rei, sacerdote), preparo de poder – virtude do Espírito (I Sm 10.1, 16.12-13); Neste Salmo Davi, agora se coloca nestes três significado: como ovelha - recebemos a unção do cuidado do PASTOR (unguento); como ministro - devemos exalar o bom perfume (Ef 5. 1-2); como embaixadores (representantes do reino - II Co 5. 20) - devemos ser ungido para a boa obra de Cristo, o bom PASTOR, e testemunhar como seu representante. Na presença de nossos inimigos ele nos unge para estas três tarefas.
c) prosperidade – transbordar o cálice - Deus nos dá do melhor e quer que desfrutemos de uma vida de abundância (Jo10.10). Isto não significa que Deus promete riquezas materiais, mas promete riquezas espirituais. A prosperidade que podemos alcançar é uma vida de paz, onde tudo dá certo. A vida abundante é, sem dúvida, a vida eterna que só temos em Cristo.
“Àquele que é capaz de fazer infinitamente mais do tudo o que pedimos ou pensamos, de acordo com o seu poder que atua em nós, a ele seja a glória na igreja e em Cristo Jesus, por todas as gerações, para todo o sempre! Amém! - (Ef. 3. 20, 21).

Esperança – vs. 6
a) Frutificação – bondade e fidelidade a Deus são características do fruto do Espírito (Gl. 5. 22 e 23);
Quando se anda amparado pelo poder do PASTOR, ele nos dá condições para desfrutar de seu amor e isso, produz frutos em nossas vidas. Transparecemos as características do fruto do Espírito.
b) Perseverança (… todos os dias da minha vida...);
Andar e seguir o PASTOR é, acima de tudo, perseverar em seu caminho. Comer de seu pasto, deixar-se guiar ao caminhos de justiça, beber de sua água, repousar em sua vontade. Não ser de si mesmo, mas ser ovelha de Seu pasto, ovelha pertencente a ELE. (Jo 10. 27, 28)
c) Certeza da Salvação – habitarei para sempre na casa do Senhor
A oportunidade de sempre voltar a Casa de Javé (relacinado ao templo) é, com toda a clareza, alegria de servir e deixar-se guiar pelo PASTOR. A casa de Javé é a casa do PASTOR (v. 1), pois são a mesma pessoa. Há alegria em estar na casa de Deus - "ALEGREI-ME quando me disseram: Vamos à casa do Senhor."(Sl 122.1) Mas, também podemos nos referir a morada eterna, a verdadeira morado do Senhor. Esta sim, é a habitação que queremos desfrutar na presença dEle.

Deus o abençoe muito,
Graça e Paz em Cristo Jesus.

Pr. Henderson Luiz