quinta-feira, 29 de julho de 2010

É FOGO



“E eu, em verdade vos batizo com água, para o arrependimento; mas aquele que vem após mim é mais poderoso do que eu; cujas alparcatas não sou digno de levar; ele vos batizará com o Espírito Santo e com fogo.
Em sua mão tem a pá e limpará a sua eira e recolherá no celeiro o seu trigo e queimará a palha com fogo que nunca se apagará.” (Mt 3. 11 e 12)

O fogo descrito nos textos bíblicos não nos releva o estado de calor, no sentido de “karisma” (comunhão entre os irmãos – calor humano). Nem tão pouco o “fogo santo” que desce no meio do culto, no qual alguns, classificam de “reteté” (o culto das canelinhas de fogo ‘pentecostal’). O fogo descrito na bíblia é o consumidor. Na história do profeta Elias contra os profetas de Baal no monte Carmelo (I Rs 18. 22 – 39), desceu do céu um fogo consumidor que consumiu todo o holocausto, as pedras colocadas sobre o monte e as águas da vala feita pelo profeta para mostrar ao povo que só o nosso Deus é Deus, que Ele é glorioso e um fogo consumidor, como está descrito em Hebreus 12. 29. Este fogo é um fogo que mostra a glória de Deus (Ex. 24. 17; Is 29. 6), ou ainda, mostra também o juízo de Deus aos que desobedecem sua Palavra (Is 30. 27 – 30; 33. 14; Hb 12. 29). O fenômeno que aconteceu em pentecostes não era fogo, era algo como uma língua partida que parecia como fogo (At 2. 2). O fogo com que Jesus Cristo lida é o fogo consumidor do juízo, após separar o seu trigo (a Igreja), que ele ajuntará em seu celeiro (o Céu), o fogo servirá para a queima da sujeira da eira do trigal (Satanás e seus anjos) e de sua palha (os incrédulos). O batismo de Cristo são duas coisas distintas: Espírito Santo aos que creem e fogo aos que não creem. Sendo assim, o Espírito Santo neste texto não é o fogo, o fogo é o juízo de Deus.
Deus te abençoe!

quinta-feira, 15 de julho de 2010

REFÚGIO




Os altos montes são um refúgio para as cabras monteses e as rochas para os coelhos.
Mas o Senhor foi o meu alto retiro; e o meu Deus a rocha em que me refugiei. (Sl 94. 22, 104. 18)

LUGARES ALTOS

Há pessoas que realmente não gostam de altura, mas não há quem não contemple a natureza vista de um lugar alto, não há quem não admire uma cidade vista de um monte. Não há quem não consiga um renovo após mirar um horizonte no silêncio de um alto retiro. Lugar alto é um refúgio para o aflito. Sentir o vento e maravilhar-se com a grandeza do nosso Deus dá ânimo ao coração contrito. Às vezes precisamos ser levados em espírito aos lugares altos de Deus. É preciso parar o que estamos fazendo e respirar fundo, meditar em Suas Palavras, sentir Seu vento nos tocar, contemplar a beleza de seus feitos em nossas vidas, as riqueza que nos foi dada em bênçãos e sentir seu amor nos envolver com o calor de Seu doce Espírito. Quando estamos aflitos, pensando nos problemas ao redor, devemos parar para pensar no socorro que Deus já nos proporcionou no passado, a fim de buscar esperanças para resolver o que nos aflige no presente. É preciso trazer à memória aquilo que nos traz esperança (Lm 3. 21 – 26). É preciso viver o presente com os passos certeiros das experiências que tivemos no passado, só assim construímos novos caminhos dentro da vontade de Deus para a nossa vida. Se não crescermos com as lições que nos foram dadas, sempre retornaremos a elas. Isso é muito ruim!

A ROCHA


Quem já teve seu carro atolado na lama sabe o quanto é difícil tirá-lo desta situação! Certa vez indo passar um final de semana com minha (na época) noiva, junto a sua família em um sítio, tive um grande problema no caminho. Já estava escuro e chovia muito uma garoa que não tinha fim. Estávamos em um grupo dividido em dois carros e, o carro de um amigo que estava indo à frente atolou-se na lama. Após um bocado de tempo, enfim, conseguimos colocar pedras e paus debaixo da roda de tração e o carro pode sair daquele buraco cheio de barro e lama. Em outra ocasião, na mesma “aventura”, meu carro ficou totalmente desgovernado em meio a muita água e lama da estrada de chão e acabou por bater em um barranco. Em um momento de aperto e medo, o melhor é estar firme na rocha. No desespero, a bíblia nos ensina a nos refugiarmos na rocha que é Deus, pois mesmo no escuro, na chuva, sem visão periférica, mesmo na neblina, estaremos sentindo a firmeza da rocha. Se os dois carros tivessem em uma estrada asfaltada, jamais teria acontecido o que aconteceu. Outra lição que podemos tirar desta “aventura” é que, quando estamos atolados no lamaçal de nossos problemas, só temos uma saída, nos apoiar em Deus que é a nossa rocha. Foi assim que conseguimos nos desatolar da lama, é assim que na vida conseguimos vencer os problemas. Refugiando em Deus.
Deus te abençoe!

quarta-feira, 7 de julho de 2010

PURO LEGALISMO


É com tristeza e "estranheza" (de certo modo) que recebi a notícia do corte do programa “Dia a dia com Deus”, ministrado pelo pastor Paschoal Piragine (PIB – Curitiba/PR) transmitido pela BBN – Taubaté sintonia 93,5 FM. Motivo do corte: as músicas de sua igreja não condiziam com o que a rádio idealiza como “certa”, para eles a música contemporânea trará destruição para a Igreja de Cristo. Sinceramente, há muito mais sobre o combate ao legalismo na Bíblia do que o tipo de liturgia ministerial, na verdade não há nada que fale sobre o tipo certo ou errado de ritmo, ou até mesmo o tipo litúrgico certo para ser empregado em um culto a Deus. O que é arcaico hoje foi contemporâneo um dia. O programa do pastor Piragine era uma fonte de bênção, conheço várias pessoas que, mesmo não sendo evangélica ouvia a pregação dele. A BBN perde muito mais sem o Programa “Dia a dia com Deus” do que ele sem a transmissão da rádio. Espero que logo, nós em São Paulo, possamos ver seu programa na TV, como os de Curitiba já veem. Que os legalistas fiquem com suas leis, nós ficaremos com a paz da Graça que nos é dada. Sinceramente só ouvia a BBN por causa da pregação do Pr. Piragine e do Pr. Roberto Silvaro (que também foi cortado pelo mesmo motivo). PURO LEGALISMO! Pena, não ouvirei mais esta rádio! Pois, para mim, suas músicas "arcaicas" não me levam a presença de Deus. Sou a favor da música que fala ao coração, e principalmente a qual me leva ao contato com o Pai. Sei que o que nós ministramos na IBM glorifica a Deus. Prossigamos para o alvo: "A GLÓRIA DE DEUS" - Rm 11. 36.
Acesse: www.diaadiacomdeus.com.br
Deus te abençoe!

terça-feira, 15 de junho de 2010

TRIÂNGULO AMOROSO




Não estou ficando louco, é isso mesmo, triangulo amoroso! Quando falamos de um relacionamento a dois, o problema está no “dois”, ou seja, número “PAR”. Repare que tudo que é voltado à harmonia na vida são números “ÍMPARES”. Por exemplo, o número sete é o número de Deus, o da perfeição - Sete dias da semana. Outros exemplos de harmonia ímpar: trezentos e sessenta e cinco dias do ano; doze discípulos (número par? Não. Se são discípulos, têm de haver um mestre – treze então); trindade – três pessoas que compõe uma unidade, etc. Tudo que se refere à harmonia está ligado ao estado “ímpar”. Porém, se pensarmos no número “um”, não podemos contar como harmonia, pois harmonia é uma disposição bem ordenada entre as partes de um todo, e isso só é possível com mais de “um”. Bom, depois do “um”, neste caso, o próximo número ímpar é o “três”, e este número em especial faz exemplo de uma harmonia perfeita – DEUS. Com esta ideia podemos estabelecer que a harmonia perfeita esteja no número “três”, e isso não tem nada a ver com numerologia, é fato, ou alguém contesta a questão da harmonia divina? (I Jo 5. 7) O relacionamento harmonioso tem que ser a três, por isso a figura de um triângulo. O triângulo é composto de três retas que se unem a três ângulos, pois é, são ligados entre si, é uma composição. Esta composição não é carnal, e sim espiritual. Uma vez ligados no Espírito Santo, ligados a DEUS. Uma vez ligados homem e mulher, relacionando integralmente com o Espírito Santo, ligados a DEUS. Aí sim há harmonia perfeita, isto é um elo de amor contínuo, um elo de harmonia amorosa, um triângulo amoroso.
Deus te abençoe!


UM MINUTO


O que significa um minuto para você? O que você pode fazer em um minuto? Talvez você invista um minuto fazendo algo bom, especial e nutritivo. Talvez você esteja investindo o seu minuto com algo que ajudará a si mesmo no futuro, como adquirir conhecimento, fazer um planejamento, estratégia, etc. O seu minuto é importante para você! O que você tem feito com o seu minuto? Quem sabe gastar ele com um momento de reflexão e meditação, quem sabe com oração? Um minuto para você pode parecer pouco demais e, quem sabe ele tem passado sem você perceber. Mas, para Deus, um minuto é muito. Em um minuto milhares de pessoas nascem e outras morrem, em um minuto pessoas choram e outras se alegram, ao mesmo tempo pessoas estão descansando e outras trabalhando. Neste tempo há pessoas roubando, bebendo, farreando, outras, estão deprimidas, desoladas, presas, sozinhas e abandonadas. E muitas outras coisas estão acontecendo em um minuto. Há outras pessoas que, neste minuto, estão orando, louvando, e outras lendo a Palavra de Deus. Uma coisa posso dizer: o minuto uma vez gasto, não retorna para você, é um valor gasto da qual só os momentos bem investidos retornarão para você em memória. É preciso ser sábio para depositar o seu minuto precioso no “fundo de investimentos” de Deus. Invista o seu tempo com Deus, somente estando no tempo dEle você pode ter conquistas inesquecíveis. É este tempo que você guarda para sempre, é este tempo que você leva contigo para o Céu.
Deus te abençoe!

quarta-feira, 21 de abril de 2010

Liberdade, Liberdade




Jean-Jacques Rousseau, escritor, filósofo, teórico político, uma das figuras marcantes do Iluminismo francês, ao defender que todos os homens nascem livres, e a liberdade faz parte da natureza do homem, inspirou todos os movimentos que visavam uma busca pela liberdade. Uma delas é a Revolução Francesa, que é o acontecimento que deu início à Idade Contemporânea. Aboliu a servidão e os direitos feudais e proclamou os princípios universais de "Liberdade, Igualdade e Fraternidade" (Liberté, Egalité, Fraternité). Outra é a Inconfidência Mineira, o qual nesta semana comemora o dia de seu líder, Tiradentes, que em 1789 tentou uma revolução para a independência de Minas Gerais com Portugal. Hoje estão estampados na bandeira de Minas Gerais os dizeres em latim: Libertas Quǽ Será Tamen, que significa “Liberdade Ainda Que Tadia”. O interessante é que sempre houve líderes que lutaram pela liberdade de seu povo, mas sabemos que a verdadeira liberdade não reside em um pensamento, não se consegue com luta violenta, mesmo sendo objetiva, ou com revolução. A liberdade é um estado da alma, só se consegue com a libertação espiritual. A verdadeira liberdade reside na verdade das Boas-novas do reino de Deus, que é Cristo. Ele diz no evangelho de João 8. 32 – “E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.” E, ainda declara em João 14. 6 – “...Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim.”. Ele é a VERDADE que LIBERTA. Vão levantar líderes para promover a liberdade, mas será em vão, pois a única verdade que liberta é Jesus Cristo. Amém.
Deus abençoe!

quarta-feira, 14 de abril de 2010

Interior






“Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! Pois que limpais o exterior do copo e do prato, mas o interior está cheio de rapina e de iniqüidade.
Fariseu cego! Limpa primeiro o interior do copo e do prato, para que também o exterior fique limpo.
Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! Pois que sois semelhantes aos sepulcros caiados, que por fora realmente parecem formosos, mas interiormente estão cheios de ossos de mortos e de toda a imundícia.”
(Mateus 23:25 - 27)

Na conversa com a mulher samaritana Jesus diz que, se ela bebesse da água que Ele estava lhe oferecendo, rios de água viva fluiriam de seu interior. Qual o tipo de espiritualidade você está envolvido? Será que você está sentindo as águas de Deus fluindo em seu interior? Ou será que você tem estado triste e abatido esperando uma atitude da igreja ou do pastor para que se mudem as coisas em sua volta? Temos que abrir para o ESPIRITUAL. A bíblia nos diz em Efésios (6. 12) que a nossa luta não é contra a carne e o sangue e sim contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais. E porque estamos presos a um sistema religioso que presa uma externa espiritualidade, como que se prestássemos contas a homens? Não temos que nos preocupar com o nosso exterior, se estamos parecendo santos, religiosos, se parecemos ser crentes, se andamos como crentes. Não temos que nos preocupar com o que o irmão do lado está pensando de nós. Temos que olhar para Jesus e, que ele pare e olhe também para Jesus e não repare como é que estamos na presença do Senhor! O que os fariseus faziam que aborrecia a Jesus era sua religiosidade, o legalismo e a hipocrisia. Deus não quer que participemos de um culto a Ele apenas por participar. Deus não quer uma cerimônia religiosa. Ele quer vida no altar, Ele quer rosto no pó, quer coração aberto, quer boca que professa o amor dEle, lábios que o adorem em Espírito e em Verdade. “È preferível não parecer sendo, do que parecer não sendo”. Não há mais um templo onde Deus se mostra em glória. Nós somos a habitação de Deus hoje. Como está o seu templo espiritual? Como está seu interior? Deus pode realmente habitar dentro do seu interior, pode transbordar e fluir de dentro de você?
Pense nisto!
Deus abençoe!


quinta-feira, 8 de abril de 2010

NOSSO TEMPO



“Portanto, vede prudentemente como andais, não como néscios, mas como sábios,
Remindo o tempo; porquanto os dias são maus.”
(Efésios 5:15 - 16)
Deus não precisa que dediquemos um tempo para Ele. Nós é que precisamos de um tempo dedicado a Ele. Uma intimidade só é conquistada com tempo e dedicação. Se não construirmos este tempo com Deus, é como, por exemplo, encontrar um amigo distante que não vemos há anos, a verdade é que, ficamos sem muito assunto, a não ser o assunto do tempo que passávamos juntos na época que éramos íntimos. Agora, quando se constrói uma amizade íntima, temos assuntos sem fim para conversar. Assim é com Deus, assim é que Ele quer que relacionemos com Ele, em intimidade. Na intimidade com Deus, temos assuntos sem fim e, quanto mais estamos com Ele, mais e mais queremos estar com Ele, mais e mais queremos conversar com Ele. Nosso tempo é precioso. Deus quer que aproveitemos nosso tempo da melhor maneira o possível. Aproveitar com sabedoria o tempo é saber remir o tempo. Deus quer que sejamos cuidadosos com que fazemos (agir prudentemente) em santidade, dedicação e perseverança. Sabemos que os dias são maus, e temos que vigiar para não nos envolver nesta maldade que desagrada a Deus. Ele deseja que sejamos bons administradores de nosso tempo. Deus tem o controle do tempo e, faz tudo em seu devido tempo.

Eu sei que tudo quanto Deus faz durará eternamente; nada se lhe deve acrescentar, e nada se lhe deve tirar; e isto faz Deus para que haja temor diante dele.
O que é, já foi; e o que há de ser, também já foi; e Deus pede conta do que passou. (Ec 3. 14-15)

Deus pedirá conta de tudo o que fazemos. E, o que estamos fazendo neste período curto de tempo em que vivemos? Tiago 4. 14 diz que a nossa vida é como o vapor que aparece por um pouco, e logo se desvanece. O que estamos fazendo de nossas vidas? Deus quer que passemos os nossos dias na Terra com excelência e dignidade, desfrutando de tudo com sabedoria e disciplina e, assim o nome dEle será engrandecido em nós. Pensemos nisto!
Deus abençoe!

quinta-feira, 25 de março de 2010

PENSANDO EM NÓS




“E sabemos que todas as coisas contribuem juntamente, para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados por seu decreto.”
Rm 8. 28

Há situações que acontecem em nossas vidas que parecem não pertencer aos que um dia se tornaram filhos de Deus. Há coisas que nos acontecem que não entendemos que poderiam ser permissão de Deus para nossas vidas. Pensamos que, como pais, não faríamos a mesma coisa para os nossos filhos, simplesmente, pelo fato de não querer vê-lo sofrer. Porém, se pudéssemos conhecer o futuro de seus passos e, realmente ter a certeza de qual caminho lhe traria maior felicidade, deixaríamos pagar o preço do sofrimento, para que, sucessivamente, encontrasse alívio, gozo e paz que ele precisa? E, não é assim que Deus age conosco? Ele é o único sabedor do futuro. Ele permite certas coisas em nossas vidas, tais sofrimentos, angústias, aflições e sentimentos de impotência, pois espera que confiemos nEle. Conheçamos o seu agir! Ele nos ama e quer que encontremos a felicidade, a “tal prosperidade”. Mas, acima de tudo, Ele quer que cresçamos rumo à perfeição, a santificação. Como pais, não desejamos para nossos filhos o amadurecimento e responsabilidade? E, quanto são os anos de angústia e amarguras de um pai, ou mãe, até que seu filho chegue a este amadurecimento? Assim também, Deus espera de nós, como um Pai, nosso amadurecimento espiritual através da santificação. Não soframos tanto pensando que Deus não está nem aí, Ele se importa com você. Ele te ama. E, sabe o que faz!
Deus abençoe!

terça-feira, 2 de março de 2010

Engrenagem


“E sabemos que todas as coisas contribuem juntamente, para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados por seu decreto.”
Rm 8. 28

No argumento filosófico do desígnio, de Willian Paley em 1802, “Deus é como um relojoeiro e o universo como um grande relógio”. Tudo o que foi feito, foi projetado por um arquiteto minucioso, tudo foi criado para um devido fim, para um devido propósito. Existe uma ideia, oriunda de um conceito pós-moderno e evolucionista de que tudo se originou do “acaso”. Charles Darwin em seu livro, Origens das Espécies, coloca em cheque, através de uma teoria sem fundamentos científicos claros, a criação de Deus. Após isto, filósofos, cientistas, educadores e até mesmo teólogos, vem se fundamentando no conceito de que não houve um arquiteto que projetou e fez todo o universo, e sim, tudo foi obra do acaso. Como se não bastasse, influenciados por ideias cada vez mais humanistas, estes novos pensadores se imergem em contaminar a mídia com ateísmo. Tanto a origem da vida, como também a origem espiritual, vem de um só – Deus.

“A gravidade explica os movimentos dos planetas, mas não pode explicar quem colocou os planetas em movimento. Deus governa todas as coisas e sabe tudo que é ou que pode ser feito.”

“A maravilhosa disposição e harmonia do universo só pode ter tido origem segundo o plano de um Ser que tudo sabe e tudo pode. Isso fica sendo a minha última e mais elevada descoberta.”

Estas duas frases são de Isaac Newton, cientista e teólogo, duas coisas que parecem que não podem se misturar, mas pode. Tudo tem explicação, e o fim é Deus. Nada na nossa vida acontece por acaso, tudo faz parte de uma engrenagem, tudo faz parte de um sistema montado por aquele que é dono do projeto – Deus. Se você tem dúvida do porque tal coisa aconteceu em sua vida, saiba que tudo isso aconteceu para o seu bem.

Deus te abençoe!
Graça e Paz

terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

Sapatos Novos


“CANTAI ao Senhor um cântico novo, cantai ao Senhor, todos os moradores da terra. Cantai ao Senhor, bendizei o seu nome: anunciai a sua salvação de dia em dia. Anunciai entre as nações a sua glória; entre todos os povos as suas maravilhas.”
Sl 96. 1 – 3.

Nada melhor do que calçar sapatos novos. O cheirinho do couro pintado e da borracha da sola, não há nada que se compare. Como é bom olhar no espelho e ver o sapato combinando com a roupa. Muitas mulheres são fissuradas por pares de sapatos novos, as vezes não se seguram ao desejo de obter tal par. Mas, muitas vezes, insistimos em usar um par de sapatos mesmo que ele esteja velho. Entendo que, quanto mais usamos um sapato mais ele fica confortável, fica cada vez mais com o “jeitão” de nossos pés, se moldam ao nosso andar. As vezes, mesmo furado, descolado, com salto lascado, mesmo na chuva, com os pés molhados, teimamos em usá-lo. Assim é também a nossa vida espiritual, nos acomodamos em nossos lugares, cargos e afazeres religiosos. Nos sentimos confortáveis com nossa situação, e a nossa vida com Deus já está com o nosso “jeitão”, estamos caminhando na fé de acordo com os nossos próprios passos, da nossa maneira, não pode haver mudanças! O culto tem que nos agradar, os louvores tem que estar bom aos nossos ouvidos, as programações tem que estar de acordo com os nossos gostos, as pessoas que convivemos tem que nos tratar da melhor maneira. Queremos, teimamos e insistimos para que as coisas sejam moldadas ao nosso “jeitão”. Nos escondemos atrás de nossa religiosidade e estamos cada vez mais longe de Deus. Queremos para nós a vontade que pertence a Deus. Deus quer que tomemos atitudes de renovo, que calcemos sapatos novos. Quer que renovemos nossos votos e o compromisso da perspectiva do “cântico novo”. Ele espera que nos atualizemos que andemos olhando para frente e observando o mundo em nossa volta, que evoluamos junto com o progresso e a tecnologia afim de usarmos recursos para falar e transmitir as boas novas de maneira que, o mundo desta era presente entenda a mensagem da CRUZ. Chega de comodismo, chega de teimosia, chega do que é velho! Cantemos ao Senhor um cântico novo, calcemos sapatos novos e deixemos os que estão velhos e encharcando os nossos pés de lado.
Graça e Paz.




terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

RESISTÊNCIA



“ Sujeitai-vos, pois, a Deus, resisti ao diabo, e ele fugirá de vós.” – Tg 4. 7

Será que estamos prontos a resistir as tentações? Será que estamos prontos a dizer não aos desejos e sutilezas do inimigo? O diabo é inimigo da nossa alma, ele age com perspicácia, sagacidade e persuasão. Na história de José (do Egito – Gn 39), quando ele se tornou o mordomo de seu senhor Potifar, podemos perceber a artimanha de Satanás para o fazer cair em pecado. José havia sido vendido como escravo a Potifar que o pôs para trabalhar em sua casa, pois, percebeu que tudo o que José fazia dava certo. Deus começou a abençoar José com prosperidade onde suas mãos tocavam, e Potifar começou a prosperar em sua casa e no campo. A bíblia diz que José era formoso, então a mulher de seu senhor tentou seduzi-lo, mas não conseguiu. Apesar da Bíblia não falar como era a mulher de Potifar, podemos deduzir que ela também era muito bonita, formosa e sedutora. As egípcias eram mulheres vaidosas e se cuidavam. Ainda mais, sendo Potifar um dos grandes homens do Egito, o Capitão da Guarda real, com certeza, sua mulher era uma das mais belas mulheres egípcias. Porém, José se fez fiel a seu senhor e passou pela prova mostrando respeito e honestidade a seu senhor e, principalmente, não queria pecar contra Deus (v. 9). A sutileza do inimigo é esperar o momento certo de atacar-nos e a José, esperou que seu chefe saísse para que assim, aproveitasse um descuido e distração dele, literalmente o agarrou. Mesmo em tal situação de sedução extrema, José não cedeu a tal ameaça, resistiu e saiu correndo. Muitas vezes encaramos tal situação de desespero, somos agarrados pelo inimigo e, muitas vezes o que temos a fazer é correr do pecado, as vezes o escape é a porta da rua. “Não veio sobre vós tentação, senão humana; mas, fiel é Deus, que vos não deixará tentar acima do que podeis, antes, com a tentação, dará também o escape, para que a possais suportar.” – I Co 10. 13. Suporte a investida de Satanás com resistência, ao invés de você sair correndo, ele correrá de vós. Mas, contudo, se o escape for sair correndo pela rua a fora, faça isso! “Pois, vale mais ter sua vida marcada pela coragem da resistência do que pela covardia da entrega à volúpia.”
Graça e Paz.

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

QADOSH



“ Fala a toda a congregação dos filhos de Israel, e dize-lhes: Santos sereis, porque Eu, o Senhor, vosso Deus, sou santo.” – (Lv 19. 2)

Qadosh é uma palavra hebraica que significa separado, dedicados a propósitos sagrados, limpo, cerimonial e moralmente puro. Deus ensina aos filhos de Israel a serem santos. Eles tinham passado 430 anos em cativeiro no Egito e tinham esquecido de Deus, não tinham mais o contato com o Deus de seus antepassados. Tanto é que, para referenciar de que Deus Moisés estava falando, ele cita o Deus de Abraão, Isaque e Jacó (Ex 3. 16). Nem mesmo Moisés sabia com quem estava falando no deserto (Ex 3. 5 – 6). O povo hebreu tinha se esquecido de Deus e se voltado aos deuses do Egito. Todas as pragas que Deus mandou sobre o Egito eram para crerem que Yahweh era o TODO-PODEROSO Deus de seus antepassados. O propósito de Deus para o Seu povo era que se santificassem, esquecessem os antigos deuses ao qual adoravam em cativeiro. Para eles não era fácil acreditar no Deus invisível, temos que lembrar que quando Moisés esteve quarenta dias no monte santo do Sinai, para receber as leis de Deus, eles fundiram para si um bezerro de ouro, dançavam, cantavam e festejavam, pois achavam que Moisés estava demorando a voltar. Então, era em Yahweh que confiavam ou em Moisés? Como alguém pode ser santo como Deus se não O conhece e, não o tem como referência e intimidade? Alguns pensam que santidade é estado de êxtase, danças, e arrepios que sobem pelas costas, outros pensam que santidade é ser silencioso e compenetrado, ou então pensam em clausura. Mas, santidade não é nem uma coisa nem outra. Ser santo, também não é ser milagreiro, nem ter um dom mais elevado dos que os outros. Santidade é ser separado, consagrado, dedicado, ser limpo andando em um mundo corrompido, estando nele e não pertencendo a ele. Ser santo é ser sal da terra, luz para um mundo de trevas. Isto é ser santo. Reconhecer Deus em todos os seus caminhos e andar em espírito, é estar em pleno momento de santidade. Vale a pena ser santo, como santo é o Senhor. Sede Santo!

Graça e Paz.


video

segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

OLHAI, VIGIAI e ORAI

“ E haverá em vários lugares grandes terremotos, e fomes e pestilências; haverá, também, coisas espantosas, e grandes sinais do céu.
Mas, daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos que estão no céu, nem o Filho, senão o Pai.
Olhai, vigiai e orai; porque não sabeis quando chegará o tempo..” – (Lc 21. 11; Mc 13. 32, 33)
O que houve no Haiti e as consequências desta catástrofe é previsto no sermão profético de Jesus Cristo, nos evangelhos do Novo Testamento. Já vi vários artigos dizendo sobre o que aconteceu no Haiti no sentido de julgamento daquele povo por seu pecados. Não é bem assim. A bíblia nos diz que isto aconteceria em muitos lugares. Se fosse por causa de pecado, quem escaparia da ira de Deus? Não existiria país que pudesse não ser julgado. Em todos os lugares nos diz a Bíblia. Isto aconteceu na Califórnia – EUA, em Istambul – Turquia, Tóquio – Japão, na Grécia, Itália, etc. Cada vez mais sabemos de terremotos em todos os lugares, isto é apenas um sinal, sinal dos eventos que precedem a volta de Cristo. Há outros sinais: pestes, guerras, violências, fomes (como está acontecendo no Haiti), etc. Há também várias interpretações do que haverá de acontecer no fim dos tempos. Exatamente como será é uma incógnita. Existe muita especulação, somente o que é certo é que, acontecerão estas coisas e, haverá arrebatamento e Jesus voltará. Mas, quando e como isto acontecerá, se antes da grande tribulação, ou no meio, ou depois... Se será um acontecimento único ou separado (o arrebatamento e a segunda vinda), não podemos ter a certeza. Cada um é livre para pensar ou interpretar como quiser (com coerência é claro) e, isto não mudará o fato dos acontecimentos. Cristo voltará! O que Cristo deixa implícito em sua revelação é que devemos observar, vigiar e orar. Estar vigilante é o mandamento de Jesus mais importante para se manter viva a esperança da Igreja. Vigiar e esperar a volta de Cristo é o que nos faz perseverar e, ai daquele que não estão vigilantes e estão longe de Cristo (Mt 25. 1 – 13). Que a palavra MARANATA esteja em nossos lábios como louvor e adoração – “Maranata – ora vem Senhor Jesus!” Ap 22. 20.
Graça e Paz. video

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Você está pronto para pagar o preço?

Será que você está pronto para pagar o preço? Alguns que se dizem “evangélicos” e pregam somente sobre a prosperidade, uma vida de bênçãos materiais, que chegam a dizer que se o fiel não tem posse de coisas materiais, assim como: carro importado, casas em vilas ricas, uma poupança gorda e coisas assim, não são abençoados e vivem em pecados. Esse tipo de “pregador” que dizem que o crente só deve ter bênçãos em cima de bênçãos (materiais), provavelmente não conhece, ou ignora o verdadeiro evangelho de Cristo. Estará este pronto para pagar o preço das boas-novas? A resposta evidentemente é NÃO. Em Romanos 8.18 – “Considero que os nossos sofrimentos atuais não podem ser comparados com a glória que em nós será revelada”. Paulo ao pronunciar estas palavras, certamente estava falando de um acontecimento e uma experiência própria a qual estava vivendo; uma perseguição pela Palavra da Cruz. (2 Co 1. 3- 11) Ele estava sentindo em sua vida o peso e pagando o preço de SER um cristão autentico. Um cristão autentico, é aquele que leva em seu corpo as marcas de Cristo (Gl 6.17). Marcas estas que não são visíveis ao olho humano, porém são sentidas quando se trabalha em favor do Reino Espiritual. Quanto custa então, o preço de ser Cristão? NADA, em comparação ao preço pago na cruz do calvário por Cristo. Talvez se viver uma vida totalmente dedicada à obra de Deus, ainda assim será de pouco valor se comparar com a obra de Deus Pai ao entregar seu Filho, despido de toda a majestade, em amor ao Mundo (Jo 3.16). Porém em meio ao sofrimento, Cristo diz: “... Neste mundo vocês terão aflições; contudo, tenham ânimo! Eu venci o mundo”. (Jo 16.33) Por mais pesado e custoso o trabalho, Deus nos conduz e alivia através do Poder de seu Filho, e nos consola com a ação de Seu Santo Espírito. As aflições e angústias não custam nada perto da Glória que teremos no futuro com Deus. “Sei o que é passar necessidade e sei o que ter fartura. Aprendi o segredo de viver contente em toda e qualquer situação, seja bem alimentado, seja com fome, tendo muito, ou passando necessidade. Tudo posso naquele que me fortalece”. (Fl 4. 12 e 13) A Palavra de Deus não nos direciona à Prosperidade MATERIAL e sim uma satisfação ESPIRITUAL (estar alegre). Você está pronto para PAGAR o PREÇO?
Graça e Paz

Não Somos “O Único”

Muitas vezes nos encontramos em situações que parecem que somos “o único” a defender uma causa. Neste momento onde vemos a Palavra do Senhor sendo usada de maneira incorreta, usada como meio de se ganhar dinheiro a custas da fé de muitos. Onde encenações de curas e expulsões de demônios têm maior destaque e atenção do que a pregação da Palavra de Deus. Parece que somos “o único” a defender a verdadeira causa do evangelho. Em 1 Reis 19, dos versículos 9 a 18, mostra Elias em uma caverna, sozinho, desapontado com a situação de seu povo, entristecido, deprimido e ameaçado de morte. Parecia ser “o único” a defender a causa de Deus de Israel. Em sua ótica via o povo todo imerge a idolatria, “... Tenho sido muito zeloso pelo Senhor, o Deus dos Exércitos. Os israelitas rejeitaram a tua aliança, quebraram os teus altares, e mataram os teus profetas à espada. Sou o único que sobrou, e agora também estão procurando matar-me.” (vs. 10 e 14). Porém, a ótica de Deus não é a mesma nossa. Ele enxerga além, e está no controle da situação. Nossos olhos não alcançam os corações e intenções dos homens. Onde não vemos esperanças Deus faz brotar esperança. Assim, Deus mostra para Elias que ele, na verdade, não estava sozinho. Além mandar ungir dois reis, Hazael como rei da síria e Jeú como rei de Israel, manda também ungir Elizeu como seu sucessor. E ainda, Deus preserva a vida de sete mil fieis israelenses, que não haviam se curvado ao deus Baal, para seu exército. Não é maravilhoso? Quando achamos que somos “o único” a defender a causa de Deus, ele mostra que na verdade está sobre o controle da situação e seu exército é maior do que esperamos.
Graça e Paz

Alimento Espiritual

O capítulo 19 de 1Reis conta-nos que um dos maiores, se não o maior dos profetas de Deus de todos os tempos, Elias, teve medo. Mesmo depois de presenciar todo o Poder de Deus manifestado em sua presença, temeu seu futuro logo que foi ameaçado de morte. Nos versículos de 1 a 8, presenciamos um sentimento que, em muitas vezes em nossas vidas, pode nos ocorrer, o sentimento de impotência. Perante a situação negativa de sua vida, Elias prefere fugir do lugar onde se encontrava e entra literalmente num deserto, caminhando um dia inteiro. Podemos observar seu cansaço e angustia e, achando uma árvore no meio do caminho ele se põe a orar. É alimentado por um anjo de Deus, mesmo depois de clamar por sua morte em uma depressão profunda. O interessante neste texto é que, após ser alimentado e ter descansado e, novamente se alimentado, isto lhe dá vigor o suficiente para caminhar quarenta dias e quarenta noites até a presença de Deus no monte Horebe.
Podemos passar por medo, sentimento de impotência, angústia e depressão. Podemos caminhar em um deserto de solidão e vazio interior, onde parece que Deus nos abandonou. Mas, se buscarmos no deserto uma sombra de acalanto e refrigério, mesmo com vontade de entregar os pontos, é hora de refletir e achar em Deus o alimento para prosseguirmos o caminho. Perseverar é preciso nesta caminhada até conseguir de Deus a resposta para todo esse momento de perturbação. Confiemos em Deus e ele nos mandará anjos para nos servir o alimento espiritual.
Graça e Paz

O Deus que Age no Oculto

Oculto é um adjetivo da língua portuguesa que significa ALGO ESCONDIDO ou SOBRENATURAL. Na bíblia, em Mateus 6, há três passagem que Jesus aponta para “...o Teu Pai que está em oculto...” (vs. 4, 6, 18). O primeiro falando sobre esmola, segundo sobre oração e o outro sobre jejum. Temos que entender que nossos votos são a Deus, somente a Ele devemos nos apresentar como sacrifício vivo, santo e agradável. (Rm 12.1) Todo o nosso proceder deve ser apresentado a Ele em oculto, e a promessa é que Ele nos recompensará publicamente. O primeiro ponto que devemos analisar aqui é a ação: dar, fazer, entregar, etc. É a Lei da Semeadura – aquilo que se plantar irá colher – aí, se escolhe o que plantar: coisas boas ou más. Porém, aquilo que se plantou terá que colher. Ao dar uma esmola, ao orar, e ao jejuar, não se pode estar anunciando, mostrando – “olha estou dando esmola, olha estou aqui ajoelhado orando, olha estou em campanha de jejum, etc.” – No sentido de sobrenatural, de estar escondido, em secreto, ou seja, de não poder ver, é preciso usar uma ferramenta que Deus deu a cada um de nós, a fé. Sem fé é impossível agradar a Deus (Hb 11. 6), porém tendo fé de fato agradamos a Deus. E, é isso que Ele espera de nós, que acreditemos naquilo que não vemos, que usemos da fé para conquistar o que o nosso coração mais deseja. Deus está agindo em oculto a nosso favor e recompensará tudo o que fazemos em favor de sua vontade: "Dai, e ser-vos-á dado; boa medida, recalcada, sacudida e transbordando, vos deitarão no vosso regaço; porque, com a mesma medida com que medirdes, também vos medirão de novo.” (Lc 6.38) - “Porque Deus é o que opera em vós, tanto o querer como o efetuar, segundo a sua boa vontade.” (Fp 2.13)

Graça e Paz

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

RESPONSABILIDADE NA CONSAGRAÇÃO

“Todavia, nenhuma coisa consagrada, que alguém consagrar ao Senhor de tudo o que tem, de homem, ou de animal, ou do campo da sua possessão, se venderá nem resgatará; toda a coisa consagrada será uma coisa santíssima ao Senhor. Toda a coisa consagrada, que for consagrada do homem, não será resgatada; certamente morrerá.
Também, todas as dízimas do campo, da semente do campo, do fruto das árvores, são do Senhor; santas são ao Senhor.” – (Lv 27. 28 – 30)

Quando falamos em consagração não temos a noção exata do termo. Para o povo de Israel, Deus deixou claro através da lei o que significava tal termo. Consagração, antes de mais nada, era para Israel e é para nós, uma coisa santíssima ao Senhor. Depois, qualquer coisa consagrada a Deus era de Deus e não tinha como resgatar, ou seja, não dava para desfazer tal compromisso. Na verdade, o que Deus quer nos mostrar, é que quando consagramos nossas vidas ao Senhor, não tem mais volta. Para Israel quando alguém voltasse atrás na decisão de consagração o castigo era a morte. Hoje, o que Deus requer de nós é o compromisso, a fidelidade, reconhecimento, dedicação em Sua obra, tal como fossemos morrer se não agíssemos assim. O dízimo também deve ser consagrado a Deus, o dízimo pertence a Deus e é santo. Quando se recebe o ganho mês a mês, o assalariado ou o empresário, deve dedicar, consagrar a parte que cabe ao Senhor. Esta atitude é de reconhecimento de que Deus está nos abençoando e que, tem nos dado o sustento e não deixado passar por necessidades. Porém, esta consagração de vida ou de dízimos não deve ser feita depois de esperar o agir de Deus, deve ser feita antes das coisas acontecerem, como prova de fé. Deus não agirá antes para que nós ajamos amanhã. Ele se agrada com nossa fé (Hb 11. 6), portanto, ele espera que tomemos uma atitude de fé, para que Ele possa tomar uma atitude de bênção, no tempo certo, em nossa vida. Deus tem uma bênção especial para você e para mim. O que temos feito para merecer esta bênção guardada para nós? Pense.
Graça e Paz.

quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

Corpo, Alma e Espírito Consagrados a Deus

“E o mesmo Deus de paz vos santifique em tudo; e todo o vosso espírito, e alma, e corpo, sejam plenamente conservados irrepreensíveis, para a vinda do nosso Senhor Jesus Cristo.

Fiel é o que vos chama, o qual também o fará.” – (I Ts 5. 23 – 24)

Sendo nós a semelhança de Deus, digo semelhança e não igualdade, temos três elementos formadores desta unidade, assim como Deus. É obvio que Deus é formado por três elementos espirituais (Jo 4.24) de igual importância de força e divindade, porém com características e funções diferentes, atuando de forma conjunta. Nós seres humanos somos formados por: corpo, alma e espírito. Temos a parte física (corpo), a parte mental, emocional, racional, etc. (alma), e o fôlego de vida, essência, existência, parte dada por Deus (espírito). O que precisamos entender é que, se temos estes três elementos formadores do ser, estes três devem ser consagrados a Deus. Em Romanos 8, o apóstolo Paulo nos instrui a andar segundo o espírito. Quando aceitamos a Cristo como nosso Senhor e Salvador, somos unidos a Deus pelo Seu Espírito através do espírito – “O mesmo Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus.” – Rm 8.16. A carne, falada por Paulo em Romanos, é o desejo carnal, ou a concupiscência, não está ligado ao corpo como estado físico, mas está ligado pelo estado mental, ou seja, a alma. Quando o apóstolo diz – “Portanto, os que estão na carne não podem agradar a Deus.” – Rm 8.8, quer dizer que os que mentalmente estão desfrutando da concupiscência da carne, estão ligados a carne, se inclinam para as coisas da carne, este estão em pecado, não estão agradando a Deus. Corpo, mente e espírito devem agradar a Deus. Busque em Deus isto, Ele é fiel, e também o fará fiel!
Graça e Paz!